Geneall.pt | Geneall.net | Índice | Fórum | Guarda-Mor | Livraria
D. Maria II, rainha de Portugal
AD-Tome I-pg. 507
NPB-vol. 2-pg. 51
ONSCVV-pg. 3
D. Maria II, rainha de Portugal
Pais
Filhos
Filhos do Casamento I:
  • Não houve descendência deste casamento
Filhos do Casamento II:
Títulos, Morgados e Senhorios
Ordens
Notas
  • Nome completo: Maria da Glória Joana Carlota Leopoldina da Cruz Francisca Xavier de Paula Isidora Micaela Gabriela Rafaela Luisa Gonzaga de Bragança
Cronologia
  • 02.05.1826
    D. Pedro IV abdica a favor de sua filha D. Maria da Glória, sob condição de esta jurar a Carta e casar com seu tio D. Miguel.
  • 05.05.1826
    Abdicação de D. Pedro IV em sua filha D. Maria II.
  • 01.08.1826
    A infanta D. Isabel Maria, torna-se regente em nome de sua sobrinha, D. Maria II.
  • 29.10.1826
    Em Viena é assinado o contrato de esponsais entre a Infanta Maria da Glória e o Infante D. Miguel.
  • 03.07.1827
    Decreto de D. Pedro nomeando D. Miguel lugar-tenente da Rainha.
  • 22.12.1828
    Jorge IV de Inglaterra recebe a princesa D. Maria da Glória com honras de rainha.
  • 23.12.1828
    Alvará de D. Pedro declarando o casamento de sua filha a princesa D. Maria da Glória com o seu tio, o Infante D. Miguel, como nulo e de nenhum efeito.
  • 29.08.1829
    Protesto de Barbacena em Londres em nome da rainha, contra a política inglesa.
  • 31.08.1829
    Partida da rainha para o Brasil, com a notícia da vitória da Vila da Praia.
  • 16.10.1829
    Regressada de Inglaterra, chega ao Rio de Janeiro a princesa D. Maria da Glória, acompanhada pela princesa Amélia de Beauharnais.
  • 13.04.1831
    Saída de D. Maria II para Brest.
  • 26.07.1831
    Visita de D. Pedro e D. Maria II a França.
  • 22.10.1831
    Decreto da Regência da Terceira concedendo plenos poderes ao marquês de Palmela para contratar com os governos de Paris e Londres as estipulações convenientes para ser restituído o trono a D. Maria II.
  • 29.11.1832
    Missão do marquês de Palmela em Londres com o objectivo de obter o reconhecimento Inglaterra e França de D. Maria da Glória como rainha de Portugal.
  • 09.08.1833
    Retirada de Bourmont do Porto para o Sul. Reconhecimento do Governo de D. Maria II pela Inglaterra.
  • 22.09.1833
    Chegada de D. Maria II ao Tejo, por mar, vinda de França.
  • 14.10.1833
    D. Maria da Glória recebe em audiência o cardeal patriarca de Lisboa.
  • 23.10.1833
    Reconhecimento do Governo de D. Maria II pela Bélgica.
  • 16.12.1833
    D. Maria II recebe em audiência o embaixador britânico, lord William Russell, acompanhado de lady Russel.
  • 25.07.1834
    A rainha D. Maria II e seu pai o regente D. Pedro embarcam no Arsenal da Marinha de Lisboa para o Porto.
  • 27.07.1834
    Chegada ao Porto de D. Maria IIe D. Pedro.
  • 06.08.1834
    D. Maria II e D. Pedro embarcam de regresso a Lisboa.
  • 18.08.1834
    Primeira sessão parlamentar, com discussão da proposta do ministro do Reino para que D. Pedro conservasse a regência até à maioridade da Rainha.
  • 01.09.1834
    Início do debate sobre a autorização do casamento da Rainha com um príncipe estrangeiro, o que era expressamente proíbido pelo artigo 90.º da Carta Constitucional. O príncipe estrangeiro com que se tencionava casar a Rainha era o duque Augusto de Leuchtenberg, filho de Eugénio de Beauharnais (filho da imperatriz Josefina e filho adoptivo de Napoleão Bonaparte) e cunhado de D. Pedro, por ser irmão mais velho da imperatriz Amélia, segunda mulher do regente.
  • 20.09.1834
    Juramento solene de D. Maria II da Carta Constitucional, depois de ter sido declarada a sua maioridade.
  • 08.11.1834
    Assinatura em Munique do tratado de casamento da rainha D. Maria II com o duque Augusto de Leuchtenberg.
  • 25.01.1835
    Chega a Lisboa Augusto de Leuchtenberg para casar com a rainha D. Maria II.
  • 26.01.1835
    Casamento em Lisboa de D. Maria II com Augusto de Leuchtenberg.
  • 04.04.1835
    Reabertura das Cortes. A Rainha não chama ao Paço o duque de Palmela, como devia, para se informar da sessão parlamentar.
  • 24.09.1835
    Assinatura, entre Maria Cristina de Espanha, regente em nome da filha Isabel II, e D. Maria II, de uma convenção de garantia de auxílio militar português contra o o pretendente à coroa de Espanha, infante D. Carlos, de acordo com o Tratado da Quádrupla Aliança.
  • 17.11.1835
    No dia em que a cavalaria da divisão auxiliar devia partir de Lisboa em direcção a Espanha, um grupo de cerca de 200 oficiais reuniu-se em Alcântara e pediu à rainha a demissão colectiva ou a anulação do castigo imposto aos oficiais que se tinham recusado a acompanhar a «Divisão Auxiliadora» a Espanha. O pronunciamento levou à queda do governo, que foi anunciado pela rainha à guarnição do castelo de S. Jorge.
  • 01.12.1835
    Coburgo - Convenção matrimonial entre D. Maria II e Fernando, duque de Saxe-Coburgo-Gotha.
  • 00.00.1836
    O princípe consorte é nomeado marechal-general do Exército, e comandante honorário do batalhão de caçadores n.º 5, como tinha acontecido com o primeiro marido da rainha, Augusto de Leuchtenberg.
  • 01.01.1836
    Casamento por procuração de D. Maria II com o princípe Fernando Augusto de Saxe-Coburgo-Gotha, sobrinho do primeiro rei dos Belgas, Leopoldo.
  • 08.04.1836
    Chegada do príncipe Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha a Lisboa para casar com a rainha D. Maria II.
  • 09.04.1836
    Casamento de D. Maria II e Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, na Sé de Lisboa.
  • 22.04.1836
    A rainha D. Maria II convoca Cortes extraordinárias.
  • 19.05.1836
    No Rio de Janeiro é assinado um Tratado de comércio e navegação entre D. Maria II, rainha de Portugal e seu irmão, Pedro II, imperador do Brasil.
  • 11.09.1836
    O governo do duque da Terceira demite-se, e a Rainha jura a Constituição de 1822, nos Paços do Concelho de Lisboa. O novo governo será presidido pelo conde de Lumiares, e dirigido politicamente por Manuel da Silva Passos e Sá da Bandeira.
  • 02.11.1836
    Começo da Belenzada. Sá da Bandeira e Passos Manuel são chamados ao Paço pela Rainha, aceitando a demissão do governo em que participavam. A atitude da Rainha foi apoiada por Leopoldo I, rei dos Belgas, que segundo parece pretendia ser indemnizado com a entrega de uma colónia portuguesa, contando com o apoio da diplomacia francesa e de uma força naval britânica surta no Tejo.
  • 04.04.1838
    Juramento da nova Constituição pela Rainha, no dia do seu aniversário e encerramento das Cortes Constituintes. É permitido o regresso dos dois marechais do Exército, exilados, devido a uma ampla amnistia para todos os crimes políticos praticados desde 10 de Setembro de 1836.
  • 26.12.1840
    Tratado de comércio e navegação entre D. Maria II e os Estados Unidos da América.
  • 24.04.1842
    Um alto dignitário da Santa Sé fez entrega da Rosa de Ouro enviada por Gregório XVI a D. Maria II, na capela do Palácio das Necessidades, acabando assim com o corte de relações acontecido em 1834.
  • 20.03.1843
    Em Londres é assinado um Tratado de comércio, amizade e navegação entre D. Maria II e o sultão Otomano.
  • 20.02.1844
    É assinado em Berlim um Tratado de comércio e navegação entre Dona Maria II e Frederico Guilherme da Prussia.
  • 19.09.1844
    Em Berlim é assinado um tratado de comércio entre D. Maria II e Frederico Augusto II, rei da Saxe.
  • 30.06.1845
    Em Berlim é assinado um Tratado de comércio entre D. Maria II e Luís I, rei da Baviera.
  • 26.08.1845
    Tratado de comércio entre D. Maria II e Ernesto II, duque de Saxe-Coburgo-Gotha.
  • 08.09.1845
    A rainha D. Maria II concede o título de Conde de Tomar a Costa Cabral.
  • 05.10.1846
    Golpe palaciano, conhecido pelo nome de Emboscada, organizado por Costa Cabral, de Madrid, posto em prática por Saldanha com o apoio de D. Maria II, e que provocou a demissão do governo de Palmela e à constituição de um ministério cabralista presidido pelo marechal.
  • 10.10.1846
    O duque da Terceira, mandado ao Porto como lugar-tenente da Rainha, é preso.
  • 27.10.1846
    A rainha assume plenos poderes extraordinários, suspendendo-se a legalidade constitucional.
  • 07.11.1846
    Saldanha sai de Lisboa comandando forças fiéis do exército, após a passagem em revista das tropas pela rainha e seu marido.
  • 15.03.1847
    Cartas de Saldanha fazendo um ultimatum ao governo e à Rainha, para que houvesse uma remodelação governamental, que impusesse contribuições forçadas de artigos e material de guerra. E ainda que a rainha vendesse as jóias para angariar fundos suplementares para a conclusão da guerra.
  • 25.04.1847
    D. Fernando II, comandante-chefe do exército, tendo-se deslocado à margem sul do rio Tejo, escreve à rainha pressionando-a a remodelar o governo e a aceitar as condições de mediação do visconde de Palmerston.
  • 10.06.1847
    Proclamação de D. Maria II anunciando uma amnistia geral e prometendo cumprir com as outras três condições da mediação.
  • 12.01.1850
    O Morning Post, jornal londrino apoiado por miguelistas, fala da riqueza de Costa Cabral e insinua que o presidente do conselho é amante da rainha D. Maria II.
  • 22.06.1850
    Em Madrid é assinada uma Convenção postal entre D. Maria II e Isabel II de Espanha.
  • 17.12.1850
    Turim - Tratado de comércio e navegação entre D. Maria II e Vitor Manuel, rei da Sardenha.
  • 28.02.1851
    Tratado de comércio e navegação entre Dona Maria II e Nicolau I da Rússia.
  • 02.05.1852
    Em Bruxelas é assinada uma Convenção Postal entre D. Maria II e Leopoldo I, rei dos Belgas.
  • 09.03.1853
    Em Lisboa é assinado um Tratado de comércio e navegação entre Dona Maria II e Napoleão III, imperador dos franceses.
  • 15.11.1853
    Morte de D. Maria II, de parto, ao dar à luz o seu 11.º filho, com 34 anos de idade. Sobe ao trono o rei D. Pedro V, sob a regência de seu pai.
  • 06.11.1861
    Morte do infante D. Fernando.
  • 27.12.1861
    Morte do infante D. João. Dos cinco filhos varões de D. Maria II que chegaram à adolescência, só dois, D. Luís e D. Augusto sobreviveram ao Outono de 1860.
Correcções / Actualizações