Geneall.pt | Geneall.net | Índice | Fórum | Guarda-Mor | Livraria
João Carlos Saldanha Oliveira Daun, 1º duque de Saldanha
DDJ-vol. III-pg. 167
NPB-vol. 3-pg. 260
ONSCVV-pg. 42
João Carlos Saldanha Oliveira Daun, 1º duque de Saldanha
Pais
Casamentos
Casamento I: Lisboa, Alcântara, Igreja das Necessidades 30.09.1814
Maria Theresa Margaret Horan FitzGerald * 26.12.1796

Casamento II: Grande Londres, Londres 12.09.1856
Charlotte Elisabeth Mary Smith-Athelston * 10.03.1810

Filhos
Filhos do Casamento I:
Filhos do Casamento II:
  • Não houve descendência deste casamento
Títulos, Morgados e Senhorios
Cargos e Profissões
Ordens
Cronologia
  • 24.06.1806
    Os cadetes, soldados aspirantes a oficiais, quando filhos de conselheiros de estado, passarão a ter como primeiro posto efectivo no exército o de Capitão. O futuro marechal Saldanha será um dos oficiais a beneficiar desta medida.
  • 08.04.1825
    João Carlos de Saldanha, futuro duque, é nomeado governador de armas do Porto.
  • 28.04.1827
    Saldanha novamente ministro da Guerra.
  • 08.06.1827
    João Carlos de Saldanha de Oliveira e Daun assume a Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros.
  • 23.06.1827
    Saldanha volta a sair do governo.
  • 24.07.1827
    Demisssão do ministro da Guerra, Saldanha, facto que desencadeia um amplo movimento de apoio conhecido pelas "Archotadas" (a manifestação ocorreu à noite, à luz de archotes).
  • 06.01.1829
    Saldanha dirige-se à ilha Terceira com 4 navios de imigrados, vindos de Plymouth, Inglaterra. Impossibilitado de desembarcar, ruma a França.
  • 16.01.1829
    Um cruzeiro inglês impede o desembarque de Saldanha.
  • 28.01.1833
    Chegada de Saldanha ao Porto, vindo do exílio.
  • 13.06.1833
    Demissões de Sartorius e Solignac. Saldanha é nomeado chefe do estado-maior. Teixeira, comandante da expedição do Sul com Napier, e Palmela, governador civil.
  • 18.08.1833
    Saldanha bate a divisão miguelista no Porto e levanta o cerco pelo norte e leste.
  • 08.10.1833
    Saldanha propõe a D. Pedro um ataque geral para tentar romper as linhas do cerco miguelista em Lisboa.
  • 10.10.1833
    Surtida de Lisboa para leste. Saldanha obriga os sitiantes a retirar sobre Santarém, onde se fortificam.
  • 16.10.1833
    Saldanha estabelece o seu Quartel-General no Cartaxo.
  • 11.11.1833
    Combate de Pernes, entre as tropas de Saldanha e as forças miguelistas.
  • 14.01.1834
    Saldanha toma e fortifica Leiria.
  • 30.01.1834
    Batalha de Pernes, em que Saldanha derrota as forças miguelistas do general Canavarro.
  • 26.05.1835
    O marechal Saldanha substituiu o conde de Linhares na chefia do governo. O ministério, que incluía novamente o duque de Palmela, ficou conhecido pelo "ministério impossível".
  • 10.11.1835
    Saldanha pede a demissão, considerando-se impotente para acalmar a indignação geral devido à venda das lezírias e ao envio da divisão do exército a pedido do governo espanhol. O pedido não foi aceite. Saldanha castigou os oficiais que se recusam a acompanhar a divisão auxiliar enviada para Espanha.
  • 16.11.1835
    Eleições suplementares. Alguns dos oficiais castigados por Saldanha são eleitos deputados.
  • 18.11.1835
    É constituído o novo governo, que contínua a ser chefiado pelo marechal Saldanha, até ao dia 25, em que passa a ser chefiado por José Jorge Loureiro.
  • 30.07.1837
    O marechal Saldanha tomou o comando das tropas revoltadas em Sobreira Formosa.
  • 10.08.1837
    As forças militares revoltadas entram em Coimbra, sob o comando de Saldanha.
  • 15.08.1837
    Saldanha entra em Leiria, após ter abandonado Coimbra, com intenção de se dirigir para Lisboa.
  • 28.08.1837
    Acção do Chão da Feira, perto da Batalha. As forças constitucionais comandadas pelo conde do Bonfim encontram-se com as forças cartistas comandados pelo marechal Saldanha. O resultado é indeciso, assinando-se um armistício que fez com que as forças sublevadas se retirassem para Alcobaça e as forças governamentais para Leiria.
  • 13.09.1837
    Saldanha chega a Trás-os-Montes.
  • 07.10.1837
    Assinatura da Convenção de Chaves. As tropas sublevadas ficavam à disposição do governo. Os oficiais manteriam os seus postos, mas seriam pagos de acordo com a tarifa de 1719. Os chefes da revolta - Saldanha, Terceira, Palmela, Silva Carvalho e Mouzinho de Albuquerque - abandonam o País.
  • 20.05.1839
    Saldanha escreve uma carta datada de Paris em que se recusa terminantemente a tomar assento no Senado.
  • 23.06.1846
    Saldanha regressa a Portugal, vindo de Bruxelas, onde tinha passado o Inverno de 1845-46. Tinha sido embaixador em Viena de 1841 a 1845.
  • 06.10.1846
    Proclamação ao exército do novo governo, em que o marechal Saldanha prometia manter as demissões dos ministros afastados pela revolta da Maria da Fonte, os «Cabrais» fundamentalmente, e a abolição dos impostos reclamados pela revolta. Substituindo o duque de Palmela, assume a chefia do governo (e a interinamente a secretaria de estado dos Negócios Estrangeiros) João Carlos de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha.
  • 06.10.1846
    Substituindo o duque de Palmela, assume a chefia do governo (e a interinamente a secretaria de estado dos Negócios Estrangeiros) João Carlos de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha.
  • 07.11.1846
    Saldanha sai de Lisboa comandando forças fiéis do exército, após a passagem em revista das tropas pela rainha e seu marido.
  • 22.12.1846
    Acção de Torres Vedras, com vitória do exército governamental comandado por Saldanha sobre o exército da Junta, comandado pelo conde de Bonfim.
  • 10.01.1847
    Saldanha propõe secretamente à Junta do Porto um acordo de paz com base na convenção de Chaves de 1837, que tinha acabado com a Revolta dos Marechais.
  • 15.03.1847
    Cartas de Saldanha fazendo um ultimatum ao governo e à Rainha, para que houvesse uma remodelação governamental, que impusesse contribuições forçadas de artigos e material de guerra. E ainda que a rainha vendesse as jóias para angariar fundos suplementares para a conclusão da guerra.
  • 07.07.1847
    Terminada a Patuleia, Saldanha entra no Porto.
  • 22.08.1847
    Remodelação governamental. Saldanha continua na presidência. Joaquim António Velez Barreiros, barão de Nossa Senhora da Luz, assume a Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros.
  • 18.12.1847
    Remodelação ministerial, que reforça a presença dos cabralistas. Saldanha continua na Presidência e assume simultâneamente a pasta dos Negócios Estrangeiros
  • 25.01.1848
    Relatório apresentado às Cortes pelo duque de Saldanha, relativo à actividade da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros.
  • 29.03.1848
    Remodelação governamental. Gorjão Henriques, cabralista puro, é exonerado da pasta do Reino, sendo substituído por Saldanha. Os irmãos Cabral divergem politicamente já que Costa Cabral apoiou Saldanha e Silva Cabral apoiou Gorjão.
  • 03.05.1849
    João Carlos de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha, assume interinamente a Secertaria de Estado dos Negócios Estrangeiros.
  • 18.06.1849
    Costa Cabral regressa ao poder, presidindo um ministério apoiado por Saldanha, com o conde do Tojal nos Estrangeiros e António José de Ávila, na Fazenda.
  • 00.07.1849
    Cessa funções como chefe do governo João Carlos de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha
  • 07.02.1850
    Saldanha é demitido do cargo de mordomo-mor do Paço, tendo pedido a demissão de conselheiro de Estado, passando a estar em oposição clara ao governo de Costa Cabral.
  • 01.05.1851
    Golpe de Estado de Saldanha, preparado em casa de Alexandre Herculano, que levará à formação do primeiro ministério regenerador. Saldanha sai de Lisboa em direcção a Sintra com o batalhão de caçadores 1, para sublevar infantaria 7, o que não conseguiu. Partiu em direcção ao Porto, mas não tendo tido apoio explícito vagueia pelo País com algumas tropas, internando-se na Galiza. O apoio do Porto aparece finalmente em 29 de Abril, realizado por infantaria 18, com o apoio dos irmãos Passos, trazendo-lhe a vitória e a queda de Costa Cabral.
  • 15.05.1851
    Vindo de vapor do Porto, Saldanha chega e Lisboa e e assume a chefia do ministério que governará quase sempre em ditadura até 31.12.1852.
  • 26.06.1851
    Criação de um centro eleitoral cabralista, tendo o duque da Terceira como como chefe e José Castilho como redactor do jornal, e o apoio do marquês de Fronteira e António José de Ávila. José Bernardo da Silva Cabral escreve a Saldanha anunciando a sua oposição ao governo devido à promulgação da nova lei eleitoral.
  • 07.07.1851
    Início do Movimento da Regeneração, com a formação de um governo presidido por Saldanha, com a participação de Rodrigo da Fonseca Magalhães e António Maria Fontes Pereira de Melo, tendo como lema fundamental o desenvolvimento de benefícios materiais.
  • 16.02.1856
    Confronto entre o duque de Saldanha e o conde de Tomar, na Câmara dos Pares. Os dois políticos discutem durante três horas.
  • 06.06.1856
    Cessa funções como chefe do governo João Carlos de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha. (2º mandato)
  • 17.05.1861
    São nomeados 17 novos pares para permitirem uma maioria histórica na Câmara dos Pares, nomeação extraordinária que D. Pedro V não tinha aceite realizar em 1856, a pedido de Saldanha.
  • 04.07.1865
    O duque de Saldanha regressa a Lisboa, vindo de Roma.
  • 01.12.1869
    Saldanha é pateado no Teatro D. Maria II, devido aos seus supostos ideais iberistas.
  • 18.05.1870
    "Saldanhada", o último golpe de estado dirigido pelo marechal Saldanha. O marechal é nomeado ministro da guerra, mas o duque de Loulé não referenda a decisão do rei D. Luís, sendo por isso demitido e substituído por Saldanha, que é nomeado Presidente e ministro de todas as pastas.
  • 19.05.1870
    Assume a chefia do governo o duque de Saldanha (3º mandato), substituindo no cargo Nuno José de Mendoça Rolin de Moura Barreto (3º mandato).
  • 20.05.1870
    Nas câmaras discursa-se contra o golpe de estado, a violação da Carta, a ditadura militar e o possível iberismo de Saldanha que nesse dia assumira interinamente a Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros.
  • 26.05.1870
    Governo de Saldanha - dos Cem Dias - apoiado por todas as forças oposicionistas ao antigo governo histórico de Loulé. Governará até 29 de Agosto.
  • 29.08.1870
    O governo pede a demissão, sendo substituído por um ministério formado por Sá da Bandeira. O governo tem como principal função a realização de eleições. Saldanha é nomeado embaixador em Londres onde morrerá em 1876.
  • 30.08.1870
    Assume pela 3ª vez a chefia do governo Bernardo de Sá Nogueira, marquês de Sá de Bandeira, substituindo no cargo o duque de Saldanha
  • 21.11.1876
    Morte do duque de Saldanha, em Londres.
  • 20.12.1876
    Funeral do marechal Saldanha, tomando parte dele toda a guarnição de Lisboa. O corpo foi depositado no Mosteiro de S. Vicente de Fora, à entrada do jazigo real, em frente ao túmulo do duque da Terceira.
Links Relacionados
Correcções / Actualizações