Geneall.pt | Geneall.net | Índice | Fórum | Guarda-Mor | Livraria
FóRUM DE GENEALOGIA: Início / Regras / Ajuda / Registe-se / Alterar Dados / Contactos
TODAS AS SALAS Moderador
Arquivos
Bibliografia
Brasil
Cargos
Direito
Eventos
Famílias
Formação
Genética
Heráldica
Hispânia
Informática
Património
Pessoas
Regiões
Títulos
em:
Este tópico está disponível na(s) Sala(s): Arquivos   Direito   Famílias  
Nota: para visualizar todas as mensagens deste tópico na mesma página utilize o modo expandido
Mensagens neste tópico Autor
Canelas 13-03-2012, 16:49
Canelas 11-05-2012, 15:25
HRC1947 11-05-2012, 18:46
HRC1947 14-05-2012, 19:20
Canelas 15-05-2012, 15:03
HRC1947 15-05-2012, 15:32
aeiou2 15-05-2012, 16:41
HRC1947 15-05-2012, 19:01
RE: Casamento por ordem do Juízo Eclesiástico - Sec. XIX »
A. Luciano 15-05-2012, 20:25
Jdas 15-05-2012, 21:21
Jdas 15-05-2012, 21:27
HRC1947 15-05-2012, 21:43
JCALD 17-05-2012, 01:55
HRC1947 17-05-2012, 09:16
Canelas 17-05-2012, 18:23
HRC1947 18-05-2012, 00:05
fj5959 11-01-2014, 15:02
saintclair 28-02-2014, 16:24
fj5959 05-03-2014, 13:20
A. Luciano 18-05-2012, 18:12

RE: Casamento por ordem do Juízo Eclesiástico - Sec. XIX 15-05-2012, 20:25
Autor: A. Luciano      [responder para o fórum]
Espero que obtenha resposta esclarecedora da Secretaria-Geral pois, como está, a referência é intrigante.

Ao contrário do que lhe têm sugerido, não creio que a Igreja possa alguma vez ter ordenado um casamento. Canonicamente, uma das condições para o casamento válido é exactamente a livre vontade dos nubentes. Nem a própria justiça secular o poderia fazer. Em algum tempo, no caso da noiva estar grávida e não haver dúvidas sobre o pai, sendo este livre, poderia ser condenado a prisão se recusasse casar mas não obrigado a casar. Isso aconteceria apenas no foro familiar e a possível consequência da recusa seria o banimento e a perda de direitos hereditários.

Tudo considerado, a minha aposta iria para que o Pároco tivesse recusado efectuar a cerimónia, por exemplo, por alguém se ter oposto ou ele Pároco ter ou julgar ter conhecimento de um impedimento. Assim a ordem para o casamento dirigir-se-ia ao Pároco, o que seria legítimo e não aos nubentes, o que me parece ilegítimo.

A. Luciano
Utilizador:
Senha:

(Esqueceu a sua senha?)
Se pretende contactar o Moderador, clique aqui »
Responder a esta mensagem      Iniciar Novo Tópico
Assunto:
Mensagem:
Quero ser notificado quando responderem a esta mensagem..